Translate

16 de out de 2017

Leitura Kindle: O Sorriso da Hiena - Gustavo Ávila


O Sorriso da Hiena é um suspense policial nacional, que acompanha os passos do detetive Artur em sua busca para capturar um assassino em série.  O detetive possui a Síndrome de Asperger, um espectro do autismo geralmente de alta funcionalidade  que "Afeta a forma como as pessoas percebem o mundo e interagem com outras pessoas." Gostei bastante do personagem, achei interessante como o autor tirou o foco das limitações causadas pela síndrome para focar nas possibilidades de integração e realização pessoal. 

O terror psicológico e os questionamento morais acompanham o livro todo e começam no prólogo:


"Os olhos da criança gritavam, arregalados em um silêncio forçado, uma testemunha impotente que não podia fazer nada para impedir o que via. Preso em uma cadeira, o garoto encarava seu pai e sua mãe sentados à sua frente com as mãos amarradas atrás das costas." 

Várias passagens trazem elementos de clássicos do terror e do suspense da literatura e do cinema como O segredo de seus olhos e Psicose. O texto flui bem, sabemos que o livro se passa no brasil sem a necessidade que certos autores tem de marcar suas obras com centenas de referências nacionais que acabam tirando o foco da obra principal. 

A trama mantêm o folego do suspense e mesmo algumas partes de menos ação são curtas e  é fácil seguir em frente. O caso de assassinato em série é bem construído, apresenta um assassino atormentado, uma motivação interessante e o desfecho embora não seja totalmente inovador é muito bom. Uma ótima leitura para o kindle, o livro está disponível para compra na Amazon



AUTOR 

Gustavo Ávila  nasceu em 1983 no interior de São Paulo, atualmente vive em Florianópolis, começou a ter contato com a escrita ao trabalhar como redator e levou três anos para concluir O Sorriso da Hiena. 



REFERÊNCIAS 

ÁVILA, G. O sorriso da hiena. Florianópolis: Verus, 2015. 

GUSTAVO AVILA.  O autor. disponível em: <https://gustavoavilaescritor.com/oautor/>. Acesso em: out. 2017.

VITUDE.  Disponível em:  <https://www.vittude.com/blog/sindrome-de-asperger/>. Acesso em: out. 2017.

15 de out de 2017

Noturno - Scott Singler



Um detetive começa a ter sonhos absurdamente reais. Nesses sonhos ele acompanha um grupo de monstro em uma caçada que termina com a morte violenta de um garoto. Ele decide checar com seu parceiro o local do sonho e misteriosamente lá está o garoto, a cena é a mesma do sonho. Esses sonhos misteriosos e principalmente as criaturas que fazem parte dele são o  plano central de Noturno.

Do ponto de vista criativo o livro é genial. Esse é um livro de monstros e o autor desenvolveu muito bem a teoria, para esses monstros nós não passamos de presas, eles são monstros no mesmo nível em que os humanos são monstros para certos animais. As vezes alguns se descontrolam e passam a caçar por esporte (familiar né??), mas em geral não passamos de comida para eles, uma comida que é perigosa por ser a maioria. Essa visão de que nada é totalmente mal, nada é totalmente bom se aplica a todos no livro e isso trás muita veracidade a trama. A conspiração por trás da existência desses monstros e do envolvimento do detetive com eles é ótima também, o final não decepciona.

Mas eu tive problemas com alguns fatores do livro. A participação feminina nele é ridícula, duas mulheres tem participação ativa na trama e elas são retratadas de forma paternalista, algumas frases como "as mulheres são praticamente retardadas, não é culpa deles, é genético" ou "sem açúcar, uma moça solteira tem que observar a silhueta" me incomodaram bastante. A única mulher em posição de liderança no final é totalmente desmoralizada e quando uma mulher tenta exigir sua participação na ação os personagens masculinos ridicularizam sua fala e isso é muito irritante

                                    

O livro também bate repetidas vezes na tecla de que de que um homem que não trabalha com a ação é menos homem por isso e de que um grande trauma emocional não justifica o medo, que isso é apenas falta de coragem.

Eu passei o livro todo esperando que esses posicionamentos fossem apenas uma forma do autor de retratar o ambiente machista que cerca a policia, não sei se essa foi a ideia afinal mas o que parece é que o livro glorifica o mundo masculino, cria uma divisão entre papeis femininos e masculinos e tenta justificar essa visão como sendo genética e inalterável.  É uma pena que um livro tão bom fique manchado para mim com uma mensagem tão ruim.

AUTOR

Scott Singler nasceu em 30 de novembro de 1969, escreve ficção, suspense e terror e é particularmente focado na criação de monstros. Acredita que download ilegal de livros não passa de  publicidade gratuita e em um futuro onde livros em papel serão itens Premium de colecionadores. Escreve desde a terceira série e para tentar chama a atenção dos editore gravou capítulos de sua obra em áudio para que eles pudessem escutar no carro. Mais curiosidade sobre o autor podem ser encontradas no sites scottsigler.com


REFERÊNCIAS 

SCOTT SINGLER. 2017. disponível em <https://scottsigler.com/>. Acesso em out. 2017

SINGLE, S. Noturno. Rio de Janeiro: Darkside, 2017. 




4 de out de 2017

Deuses Americanos - Neil Gaiman

Como nasce um deus? Para Neil Gaiman em Deuses Americanos, os deuses nascem e se alimentam da fé das pessoas. Quando um povo vai para um novo país, ele leva na mala mais que seus pertences, leva consigo sua fé. 

É nos  Estados Unidos, então uma colonia formada por povos dos mais diversos pontos do planeta, que se reúne uma grande variedade de deuses, novas versões dos deuses de outrora, não tão fortes e poderosos quanto os originais, essas versões dividiram por décadas as migalhas de fé, devoção e sacrifícios a eles dedicados.   
Decadentes mas adaptados a nova realidade esses seres, quase nada divinos, tetam sobreviver aos maus tempos. 
"A liberdade, assim como tantos dos deuses queridos pelos norte americanos, é uma estrangeira" (p. 112)
Com o passar do tempo os povos se instalaram e deixaram de ser uma colcha de retalho para se tornarem uma unidade. Criam um estilo de vida, tornam-se povo norte-americano! Deixando então de lado parte das crenças de seus antepassados esse povo moderno cria  seus próprios deuses. 
"O o que mais eu posso fazer? Ninguém sacrifica carneiros ou touros em meu nome. Não me mandam a alma de algum assassino ou escravo, pendurado na forca e devorado pelos corvos. Essas pessoas me criaram e essas pessoas em esqueceram. Agora dou o troco tirando um pouco delas. Não parece justo?" (p. 302)
Uma guerra ameaça irromper entre essa nova geração deuses e a antiga e é em meio a essa confusão que conhecemos o personagem principal, Shadow, um ex-presidiário que sem rumo decide aceitar o emprego oferecido por um senhor excêntrico e misterioso, e que acaba metido em uma confusão fantástica. 


Confesso que o livro é um pouco lento no começo,  só começou a me prender por volta do capítulo 3, e mesmo depois, quando já estava envolvida na trama, senti que o autor teve dificuldade com as cenas de ação, elas pareciam não se encaixar bem, aconteciam inesperadamente e não tinham aquela evolução até o climax como entendo que deve acontecer em uma boa passagem de ação. 


Mesmo com os trechos de ação desajustados a leitura  é muito interessante,  o livro não se foca apenas no núcleo do personagem principal, possui vários sub-núcios que acontecem em paralelo a estória principal, essas estórias tratam da chegada de deuses diversos a America, atuam como contos individuais e acabei gostando mais de alguns desses contos que do próprio universo central. 
" Deuses americanos é na verdade uma história sobre alma dos Estados Unidos sobre o que as pessoas levam para lá sobre o que acharam lá quando chegaram e sobre como as coisas ficaram adormecidas debaixo de tudo isso"
O livro alcança o objetivo de capturar a alma dos Estados Unidos por meio de uma fantasia irônica, cheia de passagens absurdas, cômicas e inesperadas. De um modo geral é um livo muito bom, que compensa a paciência necessária com o começo e com as cenas de ação.





AUTOR

Neil Gaiman nasceu em Hampshire e atualmente vive nos E.U.A. É considerado um dos dez maiores escritores vivos, começou sua carreira como jornalista e públicou mais de 20 livros.  Atua em defesa das bibliotecas e declara seu amor pelos bibliotecários (como não amar? 💕) "Eu não seria quem eu sou sem bibliotecas". Escreve fantasia e é autor também de "Coraline", "Sandman" e "O oceano no fim do caminho", todos super recomendados. Mais informações podem ser obtidas no site oficial do autor.




REFERÊNCIAS

GAIMAN, N. Deuses Americanos. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2016

NEIL GAIMAN. Biographi.  2016. Disponível em: <http://www.neilgaiman.com/About_Neil/Biography> acesso em: out. 2017. 

18 de set de 2017

O Demonologista - Andrew Pyper

                                                                                                                                                                                                                                                                                                            

"Na noite passada tive o mesmo sonho. Só que não é um sonho. Sei disso porque, quando começa, ainda estou acordada."  São essas as palavras iniciais de O Demonologista, publicado em 2013, traduzido para o português em 2015.  O romance narra a odisseia de um incrédulo e melancólico (autoproclamado) professor de literatura e  especialista em estudos religiosos. Ateu, David tem que lidar com a quase indiscutível possibilidade de  que  tudo aquilo que ele encarou a vida toda como mero simbolismo  seja real. 

A Narrativa de O demonologista é intensa, os acontecimento não são economizados para o final, mudanças rápidas na vida de David acontecem de cara nos primeiros capítulos e acontecimentos constantes e surpreendentes alimentam o texto. 
Simpatizei muito com os personagens, principalmente com David, com a forma como ele encara a situação absurdamente tensa que está vivendo, foi muito fácil para mim estar na pele do personagem. 
Costumeiro capricho da editora Darkside 

O suspense é muito forte no livro, mas as poucas passagens onde o foco é o terror são extremamente bem narradas. Dentre elas a minha favorita acontece quando David tem seu primeiro confronto com um demônio, uma passagem que acontece em uma casa escura na Itália, com um clima tenso e convincente, que para mim foi o bastante para confirmar o talento de Andrew Pyper para o terror. 
É daquelas leituras rápidas, que não se arrastam ou empacam em uma parte menos agitada, o final não é totalmente fechado, embora não seja um desses livros  sem desfecho.  O livro já está sendo adaptado para o cinema e eu estou ansiosa para conferir a adaptação.